PMI: O que é ? e Qual sua Importância ?

PMI: O que é ? e Qual sua Importância ?

O trabalho na área de gestão de projetos requer o conhecimento sobre o que é PMI. O Project Management Institute (PMI) é uma organização sem fins lucrativos que tem o objetivo de disseminar as melhores práticas de gerenciamento de projetos em todo o mundo.
Essa entidade fomenta o debate sobre o tema por meio de publicações, eventos e reuniões. Reconhecida em diversos países, a instituição possui mais de 700 mil integrantes localizados em diferentes países e que estão em constante aperfeiçoamento profissional.
Para entender melhor sobre o PMI, vamos mostrar como é sua divisão, funções, aplicações e benefícios gerados. Acompanhe!

O que é PMI ?

Tudo começou em 1969, durante um jantar em um restaurante que ficava a apenas algumas quadras do City Hall, na Filadélfia, EUA. Esse jantar era uma continuação de vários meses de discussões entre dois homens, Jim Snyder e Gordon Davis, que decidiram aí a criação de uma nova organização.
O objetivo deles era proporcionar um meio dos gerentes de projeto se reunirem, compartilharem informações e discutirem problemas comuns. Os debates seguintes resultaram na primeira reunião formal no Georgia Institute of Technology, em Atlanta, EUA, em outubro de 1969.
Como subproduto, nasceu o Project Management Institute. Pouco tempo depois, artigos de incorporação foram arquivados na Pensilvânia, assinados por cinco pessoas oficialmente reconhecidas como fundadoras do PMI. São elas: James Snyder, Eric Jenett, Gordon Davis, AE ‘Ned’ Engman e Susan C. Gallagher.
Portanto, o PMI é uma associação voltada para profissionais de gerenciamento de projetos. Para melhor organização, ele é separado de acordo com capítulos, que seguem uma categorização segundo regiões geográficas.
Isso significa que cada membro do PMI é vinculado a um capítulo e, juntamente dos demais profissionais da mesma região, realiza trabalhos voluntários para levar as melhores práticas do gerenciamento de projetos ao conhecimento dos outros profissionais.
A ideia dessa integração é promover melhorias contínuas no setor e a valorização do papel dos profissionais que nele atuam.
Atualmente, pode-se dizer que a mais expressiva contribuição do PMI tem sido o estabelecimento de melhores práticas de gerenciamento de projetos. Essas ações são seguidas no mundo todo e estão compiladas em uma obra única, o PMBOK, que você vai conhecer a seguir.

Conteúdo do PMBOK

O Project Management Body of Knowledge (PMBOK) é um guia das melhores práticas do gerenciamento de projetos elaborado pelo PMI.
Considerado a base de todo o conhecimento para a gestão de projetos — de acordo, claro, com a ótica do PMI —, o PMBOK traz, em sua última edição, as 10 áreas de conhecimento que devem ser consideradas no gerenciamento de um projeto. Essas são:
  1. Gerenciamento de escopo;
  2. Gerenciamento de tempo;
  3. Gerenciamento de qualidade;
  4. Gerenciamento de custos;
  5. Gerenciamento de aquisições;
  6. Gerenciamento de comunicações;
  7. Gerenciamento de recursos humanos;
  8. Gerenciamento de riscos;
  9. Gerenciamento de integração;
  10. Relacionamento com stakeholders.
A décima área de conhecimento, relacionada aos stakeholders, foi inserida somente na última versão do guia e atualmente é uma das áreas mais carentes de profissionais no ramo de gerenciamento de projetos.
Vale ressaltar que, como o PMBOK é apenas um guia, a experiência e os conhecimentos do gerente de projetos devem ser levados sempre em consideração para o perfeito desenvolvimento dos projetos.

Evolução do PMBOK

O guia já se encontra em sua 5ª edição. Que tal dar uma olhadinha mais de perto nesses padrões e ver como evoluíram ao longo dos anos?

PMBOK 1ª edição

A primeira edição do PMBOK foi publicada em 1996, época em que o PMI viu a necessidade de estruturar um documento oficial orientando sobre o desenvolvimento da carreira de gerenciamento de projetos.
A ideia, ainda em 1981, era desenvolver procedimentos e conceitos para apoiar o desenvolvimento do gerenciamento de projetos como uma profissão. Mas foi só em 1996, depois de ampla consulta e revisão nos documentos produzidos, que se chegou ao PMBOK, o qual substituiu os materiais anteriores.

PMBOK 2ª edição

Em 2000, a segunda edição do PMBOK foi publicada com base no trabalho anterior. Nessa atualização, novas informações que refletiam o crescimento da profissão de gerenciamento de projetos foram incluídas. O objetivo era acrescentar conhecimentos e práticas aceitos no campo de gerenciamento de projetos que se mostraram úteis para a maioria dos projetos.

PMBOK 3ª edição

A terceira edição do PMBOK foi publicada em 2004. A essa altura, milhares de recomendações para melhorias do guia foram recebidas pelo PMI, motivo pelo qual foi preciso estruturar um comitê a fim de analisar cada recomendação. Essa versão teve como característica a formulação de práticas aplicáveis a praticamente todos os tipos de projeto, indiferentemente do segmento de atuação.

PMBOK 4ª edição

A 4ª edição do PMBOK foi lançada em 2009 e teve como objetivo tornar o conteúdo mais consistente e acessível. Vale dar destaque para a distinção entre o plano de gerenciamento e documentos do projeto que foi apresentada nesta versão.
Nesse momento, a restrição tripla (custo, prazo e escopo) foi ampliada para seis: escopo, qualidade, cronograma, orçamento, recursos e risco. Novos processos também foram adicionados, enquanto outros foram eliminados.

PMBOK 5ª edição

A versão atual foi lançada em 2013, com a equipe de atualização do PMI tentando alcançar mais coerência e clareza ao padronizar termos, processos, entradas e saídas. Essa edição também inclui avanços no campo da gestão de projetos, particularmente no que se refere ao planejamento em ondas de rolamento e ao ciclo de vida adaptativo.

PMBOK 6ª edição

A 6ª edição do guia PMBOK está atualmente em andamento e a data de lançamento oficial do guia PMBOK 6ª edição foi direcionada para o 3º trimestre de 2017. O exame PMP será SOMENTE atualizado no 1º trimestre de 2018 onde será baseado na 6ª edição do guia.
 Espera-se que na edição final do Guia PMBOK 6ª edição, uma seção será dedicada a listar as principais diferenças entre ele e o Guia PMBOK 5ª edição. Abaixo estão as principais diferenças com a versão de avaliação do Guia PMBOK 6ª edição.
Vale ressaltar que o exame não é restrito apenas ao Guia PMBOK® (como o Guia PMBOK® é apenas uma parte do conhecimento necessário para responder corretamente às perguntas do exame), materiais de estudo adicionais e livros de preparação de exames são necessário se você quer passar no exame na primeira tentativa .

O que é modificado no Guia PMBOK 6ª edição?

  • Mais ênfases serão colocados em práticas ágeis, adaptativas e iterativas de gerenciamento de projetos.
  • Um novo capítulo sobre o novo Triângulo de Talentos do PMI (a demanda das organizações de habilidades de gerentes de projeto – técnico, liderança, gestão estratégica e de negócios) será incluído no Guia PMBOK 6ª edição.
  • Os processos de Gerenciamento de Projetos agora estão alinhados com os 5 Grupos de Processo (Iniciando, Planejando, Executando, Monitorando e Controlando e Encerrando) ainda serão 10 Áreas de Conhecimento (com algumas modificações nos nomes) como no Guia PMBOK 5ª edição:
    • Gerenciamento de integração
    • Gerenciamento de escopo
    • Gerenciamento de programação ( anteriormente Gerenciamento de Tempo)
    • Gerenciamento de custos
    • Gerenciamento de qualidade
    • Gerenciamento de recursos ( anteriormente Gerenciamento de Recursos Humanos)
    • Gerenciamento de comunicações
    • Gerenciamento de riscos
    • Gerenciamento de aquisições
    • Relacionamento de stakeholders
  • 3 Novos Processos são adicionados e 2 Processos são excluídos:
    • Gerencie o Conhecimento do Projeto (na Área de Conhecimento de Gerenciamento da Integração de Projetos do Grupo de Processos de Execução)
    • Implementar Respostas de Risco  (na Área de Conhecimento de Gerenciamento de Risco do Projeto do Grupo de Processo de Execução)
    • Recursos de Controle  (na Área de Conhecimento de Gerenciamento de Recursos do Projeto do Grupo de Processos de Monitoramento e Controle)
    • Fechar aquisições (Agrupados com Fechamento do Projeto ou Estágio)
    • Estimar Atividades Recursos (Agrupadas com Estimativa de Durações, pois muitas vezes são tratadas como um grupo na  5ª edição do PMBOK)
  • Uma distinção mais precisa entre  o Plano de Gestão do Projeto e os Documentos do Projeto
  • Algumas alterações nos nomes dos processos
    • Gerenciar Qualidade (anteriormente Realizar a garantia da qualidade – um termo muitas vezes incompreendido por muitos aspirantes)
    • Plano de Gestão de Recursos ( anteriormente Plano de Recursos Humanos de gestão – recurso inclui recursos humanos e muito mais)
    • Monitorar Comunicação ( anteriormente controle de comunicação – monitorar é mais apropriado)
    • Planejar o Envolvimento das Partes Interessadas (anteriormente Planejar a Gestão das Partes Interessadas)
    • Monitore o Envolvimento das Partes Interessadas ( anteriormente Controle do Envolvimento das Partes Interessadas – O 6ª edição do PMBOK adota definições mais precisas para monitoramento e controle)

Processos do PMBOK

As áreas de conhecimento e práticas do PMBOK são resumidas em cinco processos diferentes. São eles:
  1. Iniciação: esta etapa é o início da implantação do projeto. Aqui são elaboradas ações e os processos existentes são avaliados, entre outras atitudes;
  2. Planejamento: este momento define as etapas necessárias para a definição do escopo do projeto. Além disso, os objetivos são refinados e as ações tomadas são delimitadas;
  3. Execução: são os processos de implantação do plano a fim de que as metas sejam atingidas;
  4. Monitoramento e controle: a finalidade desta fase é supervisionar, rastrear e regular a evolução e a performance do projeto. Possíveis áreas que requerem alterações no planejamento estratégico são identificadas;
  5. Encerramento: é a finalização das atividades do projeto.

Certificações do PMI

Uma das atividades realizadas pelo PMI é a capacitação de gerentes de projetos em todo o mundo, concedendo certificações que conferem ao profissional maior destaque no mercado e credibilidade para executar projetos cada vez mais complexos em várias áreas de atuação.
Ao todo, existem oito certificações. A mais comum é a Project Management Professional (PMP), ou Profissional de Gerenciamento de Projetos. Já existem mais de 370 mil profissionais no mundo todo que contam com essa certificação.

Requisitos da certificação PMP

Para se candidatar à certificação PMP você precisa ter:
  • Formação de quatro anos (de bacharel ou equivalente)
  • Mínimo de três anos de experiência no gerenciamento de projetos
  • Mínimo de 4.500 horas de liderança e direção de projetos
  • 35 horas de formação em gerenciamento de projetos
OU
  • Diploma de ensino médio (ensino médio ou equivalente)
  • Mínimo de cinco anos de experiência no gerenciamento de projetos
  • Mínimo de 7.500 horas de liderança e direção de projetos
  • 35 horas de formação em gerenciamento de projetos
Para mais informações sobre como se cadastrar: PMP
O PMI autoriza algumas instituições a aplicarem o teste para PMP e muitas escolas de administração oferecem cursos preparatórios para esse certificado.
Além da certificação PMP, existem outras sete. São elas:
  • Profissional de Gerenciamento de Portfólio (PfMP);
  • Profissional de Gerenciamento de Programas (PgMP);
  • Profissional em Gerenciamento de Cronograma do PMI (PMI-SP);
  • Profissional em Análise de Negócios do PMI (PMI-PBA);
  • Técnico certificado em Gerenciamento de Projetos (CAPM);
  • Profissional em Gerenciamento de Riscos do PMI (PMI-RMP);
  • Profissional certificado em Métodos Ágeis do PMI (PMI-ACP).
Para obter cada certificação, o profissional deve comprovar determinado tempo de experiência na área e ser aprovado em um teste de conhecimentos específicos. A certificação é temporária e deve ser revalidada periodicamente para que o profissional se mantenha atualizado e atuante no mercado de trabalho.
A vantagem para os profissionais certificados é o reconhecimento dos empregadores, que, segundo o instituto, entendem que existe um valor agregado no conhecimento das melhores práticas de gestão de projetos.

Funções do PMI

Compreendendo o motivo pelo qual o PMI foi criado, seu histórico e as certificações que oferece, fica evidente que as funções desse instituto é capacitar profissionais do mundo todo para que executem as melhores práticas ao fazerem a gestão de projetos.
Nesse cenário, é importante lembrar que um projeto é composto por atividades temporárias que são realizadas por um grupo de pessoas, cujo objetivo final é produzir algo, oferecer um serviço ou obter resultados diferenciados.
Isso deixa claro que os projetos não são iguais. Eles podem até ser similares, mas as práticas destinadas a cada um deles deve ser adequada à realidade, a fim de que uma meta específica seja atingida.
Você deve estar pensando: se cada projeto requer ações singulares, por que existe o Guia PMBOK? Basicamente, porque é esse manual que mostra como os conhecimentos de gestão de projetos devem ser aplicados para que se obtenha o máximo de eficiência.
É dessa forma que o gerenciamento de projetos se torna uma ação estratégica para as empresas, fazendo com que os resultados dos projetos estejam alinhados aos objetivos organizacionais.

Aplicações do PMI

O PMI oferece cursos e certificações para a capacitação dos profissionais. Todas essas especializações estão embasadas nos 12 padrões de gerenciamento de projetos, que são aplicados no mundo todo.
Apesar de o PMI não oferecer uma metodologia, ele apresenta as melhores práticas, que já são reconhecidas e vêm sendo aplicadas cada vez mais. Os padrões são, portanto, documentos que indicam diretrizes, características e regras para melhorar o trabalho em cinco categorias: programas, projetos, pessoas, profissões e organizações.
Além disso, o PMI oferece outras oportunidades de desenvolvimento profissional, como cursos de educação a distância e outros procedimentos praticados pelos Provedores Registrados de Educação, que estão disponíveis em 1.400 locais no mundo para capacitar profissionais de gerenciamento de projetos.
Existe ainda o Programa de Pesquisa PMI, que tem a finalidade de melhorar a ciência da gestão de projetos. Essa iniciativa promove debates, seminários, conferências, sessões de trabalho, entre outros, sempre com o objetivo de discutir novas ideias e revisitar aquelas que já estão sendo praticadas.
A partir disso, entende-se que o PMI é aplicado por qualquer profissional de gestão de projetos, que passa a compreender de forma mais global as particularidades de cada projeto e consegue articular as ações necessárias para obter mais produtividade e eficiência com a diminuição de custos e despesas.

Vantagens em aplicar recomendações do PMI

O ambiente corporativo está bastante competitivo e as empresas precisam agir estrategicamente para se destacarem. Uma forma de fazer isso é aplicar as recomendações do PMI, apresentadas pelo Guia PMBOK.
Mas quais são as vantagens diretas conquistadas pela empresa? As principais são:
  • Redução de gastos — As melhores práticas reduzem a quantidade de recursos desperdiçada e o retrabalho.
  • Aumento dos lucros — Esta é uma consequência da redução de gastos, o que proporciona uma margem de lucro maior.
  • Padronização do planejamento — As práticas aplicadas impõem uma padronização, o que facilita o entendimento do projeto e dos procedimentos que devem ser realizados.
  • Aumento do controle e do monitoramento durante o ciclo de vida do projeto — As ações podem ser fiscalizadas com mais eficácia, sendo esta mais uma vantagem da padronização. Dessa forma, é possível ajustar o processo sempre que necessário e ter resultados mais positivos devido à identificação rápida de erros e falhas.
  • Melhoria da gerência dos projetos — O gestor tem a possibilidade de executar as ações de forma mais coordenada e assertiva.
  • Definição de fluxos eficientes de informações e ações — O Guia PMBOK indica o que a empresa deve fazer para potencializar os resultados de seus projetos. Essa atitude exige um fluxo eficiente de informações e ações. Ou seja, todos na organização devem colaborar para que os objetivos sejam atingidos e trabalhar de maneira integrada e coordenada. Isso resulta em aumento da produtividade, satisfação dos colaboradores envolvidos no projeto e diminuição de custos.
  • Aumento da satisfação dos clientes — O projeto é desenvolvido para que determinado produto seja elaborado ou serviço seja prestado a um cliente específico. Quando são aplicadas práticas reconhecidas mundialmente, a tendência é que erros e falhas não aconteçam com tanta frequência, o que impacta positivamente na satisfação dos clientes.
  • Elevação da qualidade do produto ou serviço — Analisando todos os benefícios já citados, fica evidente que o resultado final é a elevação da qualidade do produto ou serviço. Quando um projeto está em andamento, ele tem um propósito final. O PMI permite alcançar esse objetivo com mais qualidade.
    Fonte: Edward Designer

    Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

    Facebook – Twitter

Plataforma de Construção Digital: Imprima Sua Casa Agora!!!

A lista de materiais que podem ser produzidos pela impressão 3-D cresceu para incluir não apenas plásticos, mas também metal, vidro e até mesmo alimentos. Agora, os pesquisadores do MIT estão expandindo a lista ainda mais, com o projeto de um sistema de impressão 3-D que pode imprimir a estrutura básica de um edifício inteiro.
O sistema é apenas um protótipo neste momento, mas os engenheiros do MIT pretendem que sua impressora 3D robô seja totalmente auto-suficiente no futuro.
Estruturas construídas com este sistema poderiam ser produzidas mais rápidas e com um menor custo em relação aos métodos tradicionais que a construção permite, dizem os pesquisadores. Um edifício também pode ser completamente personalizado para as necessidades de um determinado site e os desejos de seu fabricante. Mesmo a estrutura interna poderia ser modificada de novas maneiras; Materiais diferentes poderiam ser incorporados à medida que o processo avança, e a densidade do material poderia ser variada para proporcionar combinações ótimas de resistência, isolamento, ou outras propriedades.
Em última análise, dizem os pesquisadores, essa abordagem poderia permitir projetos de construção com novos tipos de edifícios que não seriam viável com os métodos tradicionais de construção.
O sistema robótico foi descrito esta semana na revista Science Robotics , em um artigo de Steven Keating PhD ’16, graduado em engenharia mecânica e ex-afiliado de pesquisa no grupo Mediated Matter no MIT Media Lab; Julian Leland e Levi Cai, ambos assistentes de pesquisa no grupo Mediated Matter; E Neri Oxman, diretor de grupo e professor associado de artes de mídia e ciências.
O sistema consiste em um veículo de rastreamento que transporta um grande braço robótico industrial, que tem um menor braço robótico de precisão-movimento na sua extremidade. Este braço altamente controlável pode então ser usado para dirigir qualquer bocal de construção convencional (ou não convencional), tal como aqueles usados ​​para derramar concreto ou pulverizar material de isolamento, bem como outros efetores finais de fabricação digital, como uma cabeça de fresagem.
Ao contrário dos sistemas de impressão 3-D típicos, a maioria dos quais usam algum tipo de estrutura fechada e fixa para suportar os bicos e se limitam à construção de objetos que podem caber dentro de seu gabinete geral, este sistema livre pode construir um objeto de qualquer tamanho. Como uma prova de conceito, os pesquisadores usaram um protótipo para construir a estrutura básica das paredes de uma abóbada de 50 pés de diâmetro e 12 pés de altura – um projeto que foi concluído em menos de 14 horas de “impressão”.

Para estes testes iniciais, o sistema fabricou com espuma uma estrutura de isolamento usada para formar uma estrutura de betão acabado. Este método de construção, no qual os moldes de espuma de poliuretano são preenchidos com betão, é semelhante às tradicionais técnicas de cofragem de betão isolado. Seguindo esta abordagem para seu trabalho inicial, os pesquisadores mostraram que o sistema pode ser facilmente adaptado a construções existentes e equipamentos, e que vai caber códigos de construção existentes, sem exigir novas avaliações inteiras, Keating explica.
Em última análise, o sistema é destinado a ser autossuficiente. Ele é equipado com uma colher que poderia ser usado tanto para preparar a superfície do edifício e adquirir materiais locais, tais como sujeira para um edifício de terra batida, para a construção em si. Todo o sistema poderia ser operado eletricamente, mesmo sendo alimentado por painéis solares. A ideia é que esses sistemas possam ser implantados em regiões remotas, por exemplo em áreas de desastres após uma grande tempestade ou terremoto, para fornecer abrigo duradouro rapidamente.
A visão final é “no futuro, ter algo totalmente autônomo, que você poderia enviar para a Lua ou Marte ou Antártica, e que só iria sair e fazer esses edifícios durante anos”, diz Keating, que liderou o desenvolvimento do sistema como seu trabalho de tese de doutorado.
Mas, entretanto, diz ele, “também queríamos mostrar que poderíamos construir algo amanhã que pudesse ser usado imediatamente”. Foi o que a equipe fez com sua plataforma móvel inicial. “Com este processo, podemos substituir uma das partes-chave de fazer um edifício, agora”, diz ele. “Poderia ser integrado em um canteiro de obras amanhã.”
“A indústria da construção ainda está fazendo as coisas da maneira que aplicou por centenas de anos”, diz Keating. “Os edifícios são retilíneos, na sua maioria construídos a partir de materiais únicos, montados com serras e pregos”, e principalmente construídos a partir de planos padronizados.
Mas, Keating se perguntou, e se cada edifício pudesse ser individualizado e projetado usando dados ambientais no local? No futuro, os pilares de sustentação de tal edifício poderiam ser colocados em locais ideais com base na análise de radar de penetração no solo do local, e as paredes poderiam ter espessura variável dependendo da sua orientação. Por exemplo, um edifício poderia ter paredes mais espessas, mais isoladas em seu lado norte em climas frios, ou paredes que se afunilam de baixo para cima à medida que seus requisitos de carga diminuem, ou curvas que ajudam a estrutura a suportar ventos.
A criação deste sistema, que os pesquisadores chamam de Plataforma de Construção Digital (PCD), foi motivada pela visão geral do grupo Mediated Matter de projetar prédios sem peças. Essa visão inclui, por exemplo, a combinação de “estrutura e pele”, vigas e janelas, em um único processo de produção e adaptação de vários processos de projeto e construção à medida que a estrutura está sendo construída.
Do ponto de vista arquitetônico, Oxman diz que o projeto “desafia as tipologias tradicionais de construção, como paredes, pisos ou janelas, e propõe que um único sistema poderia ser fabricado usando o DCP que pode variar suas propriedades continuamente para criar elementos parecidos”.
Para este fim, os bicos do novo sistema de impressão 3-D podem ser adaptados para variar a densidade do material a ser vertido, e mesmo para misturar diferentes materiais à medida que avança. Na versão usada nos testes iniciais, o dispositivo criou um invólucro de espuma isolante que seria deixado no lugar após o concreto ser derramado; Materiais de acabamento interiores e exteriores poderiam ser aplicados diretamente à superfície da espuma.

O sistema pode até mesmo criar formas complexas e saliências, como a da foto que equipe demonstrou. Qualquer fiação necessária e encanamento pode ser inserido no molde antes que o concreto é derramado, proporcionando uma estrutura de parede acabado de uma vez. Ele também pode incorporar dados coletados durante o processo, usando sensores embutidos para temperatura, luz e outros parâmetros, assim, é possível fazer ajustes na estrutura e como ela é construída.
Keating diz que a análise da equipe mostra que tais métodos de construção poderiam produzir uma estrutura mais rápida e menos dispendiosa do que os métodos atuais, e também seria muito mais seguro. Além disso, porque as formas e espessuras podem ser otimizadas para o que é necessário estruturalmente, ao invés de ter que combinar o que está disponível em madeira pré-fabricada e Outros materiais, a quantidade total de material necessário poderia ser reduzida.
Enquanto a plataforma representa um avanço de engenharia, observa Oxman. “A capacidade de projetar e fabricar digitalmente estruturas multifuncionais em uma única construção encarna uma mudança da idade da máquina para a idade biológica – de considerar a construção como uma máquina para viver, feita de peças padronizadas, para a construção de um organismo, que é desenvolvido computacionalmente, aditivamente fabricado, e possivelmente biologicamente aumentado. “
“Então, para mim, não é apenas uma impressora”, diz ela, “mas uma maneira totalmente nova de pensar sobre o que fazer, que facilita uma mudança de paradigma na área de fabricação digital e também para o projeto arquitetônico. Nosso sistema aponta para uma visão futura da construção digital que possibilita novas possibilidades em nosso planeta e além. “
Fonte: MIT News

Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

Facebook – Twitter

Framework: Programe Mais em Menos Tempo

Usar Frameworks é algo que já faz parte do dia da maioria dos desenvolvedores, especialmente de quem trabalha com um grande número de projetos que usem funções similares.
De fato, a possibilidade de reutilizar códigos com poucas alterações ajuda a poupar tempo, e dá uma caixa de ferramentas para o programador que vai além do que é oferecido pela linguagem.
O conceito de Framework pode parecer muito confuso em relação a outras formas de aproveitar códigos em vários projetos, como a orientação a objetos e as classes, por exemplo. A grande diferença é que ele opera de forma muito mais profunda.

O que é Framework?

Basicamente, o Framework provê um template de base com diversas funções para um desenvolvedor, de modo que é desnecessário gastar tempo reproduzindo funções em diversos projetos.
Uma boa comparação é a da caixa de ferramentas: só que, ao invés de chaves de fenda e martelos, há a base para formulários de login, validação de campos e conexão com bancos de dados.
Para dar um exemplo claro vamos comparar a codificação com um processo de construção. Se você precisa construir uma casa, você provavelmente sabe que haverá algumas paredes, janelas, portas (com alguns bloqueios possíveis), um telhado e outra coisa. Em vez de construir uma parede de tijolo por tijolo você pode perguntar ao seu Framework: “Hey, Framework, eu preciso de uma parede” e você receberá sua parede imediatamente (você será capaz de ajustar e personalizar a sua parede depois para torná-la perfeita, mas você recebe uma parede bastante normal desde o início). Ainda assim, cada estrutura dita suas próprias regras e tem seus próprios limites.
Nesse sentido, como parte da tendência no desenvolvimento de software de tentar reduzir os custos e aumentar a produtividade, o uso de Frameworks tem se tornado cada vez mais difundido.
Hoje, já existe uma grande variedade de soluções disponíveis para as mais diversas linguagens, com comunidades que realizam a testagem e a criação de diferentes funções.

Como um Framework funciona?

As funções do Framework têm uma grande variedade de parâmetros, o que garante ao desenvolvedor a possibilidade de realizar customizações de acordo com as necessidades do projeto. Para fazer isso, são usados princípios da orientação a objeto, como a abstração, o polimorfismo e a herança.
Aliás, vale ressaltar que essa integração entre as diferentes funções de um framework é uma das suas principais características. Isso significa que as ferramentas são feitas de forma mais aberta, para poder se adequar a uma grande quantidade de situações.
Tais pontos providos pelo Framework são os chamados frozen spots, ou hook points, enquanto a instanciação e customização do desenvolvedor são denominadas de host spots.

Abstração

É quando transformamos uma entidade do mundo real em um objeto para uso na programação. Esse objeto vai ter características e ações da entidade. Exemplo:

Herança

Um dos conceitos que mais tem relação com o mundo real. A herança é utilizada quando um objeto possui características e ações iguais às de outros objetos. No mundo real, quando se pensa em herança física, consideramos as semelhanças que um filho possui com relação a seus pais, como cor de cabelo e altura. Exemplo:

Polimorfismo

No mundo real, o polimorfismo acontece quando uma entidade consegue alterar uma característica ou ação que foi concedida pela herança. Não é sempre que o objeto precisa usar de fato todas as informações que estão atreladas à entidade superior ao fazer uma herança de entidades. Nesses casos, o polimorfismo pode ajudar.
Para utilizar o polimorfismo em algumas linguagens de programação orientadas a objetos, é necessário que uma nova informação seja associada à fonte herdada (ou fontes ancestrais). Isso irá substituir o valor da informação do objeto pai pelo objeto filho.

O que diferencia o Framework, Biblioteca e API?

A criação de funções e modularização também existe fora dos Frameworks, o que pode causar certa confusão. Bibliotecas de classes, por exemplo, são uma implementação em que as funções podem ser importadas para uso em diversos projetos.
A grande diferença do Framework é a integração entre as suas diferentes funções e o seu grau de complexidade. Enquanto em bibliotecas de classes as funções operam de forma relativamente independente entre si, em um Framework há relações já embutidas de dependência entre um componente e outro.
Outro diferencial é a forma como o programa flui. No caso das bibliotecas, por exemplo, é o programa que tem controle sobre o fluxo e faz as importações. Já quando se usa um Framework, este é quem “chama” as funções criadas pelo usuário.
Apesar dos três serem diferentes uns dos outros, existe uma forte ligação entre uma API, uma biblioteca e um Framework. Uma API descreve um comportamento, enquanto uma biblioteca contém toda a implementação das regras utilizadas neste comportamento. No que se refere à relação entre API e Framework, uma API é o lado público de um Framework, o que significa que, a partir de todos os métodos implementados em um framework, somente os relevantes para o usuário serão apresentados em uma API.

Como o uso de Frameworks pode beneficiar  uma empresa?

Já foi mostrado o principal benefício do Framework, que é a sua capacidade de economizar tempo no desenvolvimento de softwares por meio da reutilização de códigos eficazes, que já foram testados. Agora, mais 3 benefícios para usá-los:

1. Menos bugs

Como já passou por diversos testes, o código de um Framework geralmente já está sem grandes bugs. E isso se aplica principalmente aos de maior porte, que possuem uma comunidade voltada para reportar erros e corrigi-los.

2. Facilidade de aprendizado

A maioria dos Frameworks de grande porte possui um registro extenso de documentação, o que facilita muito o aprendizado por parte dos desenvolvedores. Por meio disso, é possível conhecer melhor as funções e a forma de utilizá-las.

3. Padronização de código

Para que haja compatibilidade, o desenvolvedor deve seguir o mesmo padrão de codificação usado pelo Framework. Isso contribui para que o código seja mais legível, tornando a manutenção mais fácil por parte da equipe.

Há contras para o uso de Framework?

Os benefícios de se usar um Framework são muito maiores do que os contras, desde que se saiba escolhê-lo e usá-lo bem. Por isso, vejamos a seguir a lista 3 práticas ruins ligadas ao uso de Frameworks que podem ser evitadas.

1. Dependência

É importante ressaltar que o Framework é diferente da linguagem de programação na qual ele foi escrito. Por isso, o desenvolvedor precisa conhecer bem a linguagem com que trabalha, afinal, ele vai aprender mais sobre as funções do Framework, mas não sobre a linguagem em si.
Além disso, o projeto passa a estar ligado ao Framework, o que causa a necessidade de retrabalhos em caso de migrações.

2. Complexidade de modificação do Framework

Como já disse neste texto, o Framework é uma estrutura complexa com várias funções interligadas. Por isso, um desenvolvedor precisa conhecer muito bem tanto a linguagem quanto a estrutura do Framework se deseja fazer alguma alteração em uma função dele.

3. Códigos desnecessários que pesam o programa

Há Frameworks com todo tipo de funções e tamanhos. Por isso, o desenvolvedor deve tentar encontrar aquele que tenha só as funções que ele vai usar, ou o mínimo de componentes sobressalentes possível.
Há diversas opções de Frameworks robustos, com uma gama vasta de funções que não serão usadas pela aplicação e acabarão colocando um peso desnecessário sob o programa.

E a Segurança?

Ao mesmo tempo em que a maioria das soluções de Framework oferece segurança, também pode oferecer vulnerabilidades.
Por um lado, há um amplo suporte à correção de falhas de segurança — já que é usado por vários usuários e tem uma comunidade para resolver vulnerabilidades. Por outro, por ser um software aberto, usuários maliciosos pode procurar falhas e explorá-las, o que oferece certo risco.

Quais as vantagens e desvantagens de uma empresa desenvolver o seu próprio Framework?

Uma possibilidade para empresas com grandes setores de TI e necessidades muito específicas é desenvolver o seu próprio Framework. E, para isso, é possível usar códigos de soluções que a própria empresa já criou.
Mesmo assim, é de extrema importância ter desenvolvedores que conheçam a linguagem a fundo. Até porque, vale ressaltar, o principal benefício de ter o seu próprio Framework é o controle completo que se tem sobre as soluções.
No entanto, com isso também vem a responsabilidade por fazer testes, atualizações, correções, documentação e, é claro, a implementação das funções. Por isso, esse projeto pode acarretar um alto custo da empresa, já que vários profissionais terão que investir o seu tempo na execução e manutenção do Framework.
Fonte: Hackernoon, Onetrail

Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

Facebook – Twitter

Laravel 5 : Framework PHP para Web Designers

Independente da linguagem ou tecnologia que estamos usando, um conceito global é: não queremos ficar nos preocupando com infraestrutura. É aí que os frameworks entram. Eles nos ajudam e muito a agilizar o processo de desenvolvimento, de forma organizada, evitando repetições de código e muito mais.
O Laravel é um framework PHP livre extremamente produtivo com um ecossistema bem grande, de código aberto, criada por Taylor Otwell e destinada ao desenvolvimento de aplicações web seguindo o modelo arquitetônico modelo-view-controller (MVC).   Cada vez mais popular  popular e utilizado pelo mercado.

Por que Laravel? Uma entrevista com Vedovelli

Vedovelli é uma referência no cenário nacional de desenvolvimento, que colabora com muito conteúdo para a comunidade Laravel. A equipe do Lavarel Brasil fez uma entrevista com ele, veja a seguir:

Fabio Vedovelli – @vedovelli

Profissional de desenvolvimento web com 14 anos de experiência. Desenvolvedor back e front end com vasta expertise nas seguintes tecnologias/frameworks: PHP, Laravel, MySQL, HTML5, CSS3, Javascript, jQuery, AngularJS, Ember.js, Node.js, Amazon Web Services, configuração e manutenção servidores CentOS.

Na sua visão o que diferencia o Lavarel dos demais concorrentes?

É difícil dar uma resposta simples pois o Laravel se destaca por mais um ponto, os quais listarei a seguir:
1. Documentação completa e fácil de ser compreendida – A divisão dos tópicos dentro da documentação obedece uma lógica a facilitar o aprendizado e a localização do que se precisa é muito fácil;
2. A curva de aprendizado – É muito pequena e a mais plana dentre todos os frameworks que já avaliei (CakePHP, CodeIgniter, ZF 1 e 2, YII e PhalconPHP);
3. O engajamento da comunidade –  O número de desenvolvedores que utilizam (e amam) o Laravel é bastante grande, seja com disponibilidade para ajudar, seja para desenvolvimento de pacotes para resolver problemas que não são de responsabilidade do Laravel.

O que traz mais produtividade: Investir tempo para se adaptar e utilizar o Laravel, ou desenvolver livremente da maneira que você já domina e tem mais afinidade?

Sem sombra de dúvida é investir em aprender a usar um framework. Com isso eu quero simplesmente dizer: compreenda orientação e objetos, compreenda o padrão MVC, compreenda os princípios S.O.L.I.D. e então parta para o Laravel. Se tiver tempo, estude um ou dois outros frameworks (superficialmente, se já tiver escolhido o Laravel) que implementam o padrão MVC: isso ajudará a determinar o que o Laravel possui de pontos fortes e fracos.
Pode parecer que estou dizendo para você mergulhar em teoria antes de usar um simples framework porém eu não digo para fazer isso e só depois usar o Laravel. Mas você deve se interessar pela teoria que dá base aos frameworks. Compreender bem o problema que eles resolvem facilita o aprendizado e diminui consideravelmente o tempo necessário para dominar a ferramenta.

Sobre questões de prazo, qual é sua opinião ?

Depende muito do nível de conhecimento da equipe de desenvolvedores do produto. Se a startup possui um budget que permita contratar pelo menos um profissional full stack e o prazo disponível permitir que este profissional tenha o tempo necessário para se dedicar ao desenvolvimento server side (API) e o front end (Vue.js, Angular, Ember.js, React …) então minha sugestão é: parta para uma SPA (Single Page Application).
Agora se os recursos são limitados (o que quase sempre é verdade) então sugiro uma aplicação tradicional (muito PHP, pouco Javascript) para que se chegue logo ao MVP (minimum viable product). Uma vez tendo o que apresentar, fica mais fácil ganhar confiança e conseguir investimentos e/ou clientes.
Mas deixo um conselho: evite aplicações híbridas, que usam o Laravel para controlar autenticação e servir views mas que se usa Javascript para acessar os dados via chamadas AJAX. Elas funcionam bem, mas são muito difíceis de manter!

Quais são os principais erros que os desenvolvedores cometem utilizando Laravel?

É difícil fazer algo muito errado ao usar Laravel: tudo é muito bem amarrado e explicado. Você precisa ter a intenção de fazer errado para que isso aconteça. O que vejo bastante são desenvolvedores que não se preocupam em aprender e aplicar S.O.L.I.D. e acabam com aplicações monstruosas que são muito difíceis de se manter.
Assim, os erros que mais vejo não estão relacionados a qualquer framework mas sim à compreensão de “problemas e complexidades do desenvolvimento de software”.

Para quem quer começar a desenvolver em Laravel, o que você recomenda para acelerar o aprendizado? 

Assista meus vídeos, e leia a documentação antes de começar a usar o Lavarel. Para acessar o conteúdo do vedovelli: www.vedovelli.com.br.

Aprendendo Laravel

Laravel não é simples de aprender e entender, se não tiver algum conhecimento sobre Lógica de Programação e PHP. Agora, se você conhecer os dois vai ser mais simples aprender as vantagens do Laravel. Vou trazer alguns canais de aprendizado desse Framework. É importante ressaltar que alguns deles não contém certificado no final do curso, mas tem bastante conteúdo para se divertir.

School of Net

O primeiro canal é o School of Net que tem aulas  do Laravel 5 no seu site onde no final do curso é conquistado o certificado, algumas aulas são pagas se você quiser só aprender eles tem um  canal no YouTube com as aulas.
 Acesse: School of Net /  School of Net (YouTube)

Guia do Código

O Guia do Código é outro canal que segue a mesma lógica do School of Net, algumas aulas pagas no site e no YouTube vários materiais grátis.
Acesse: Guia do Código / Guia do Código (YouTube)

Especializa TI

No vídeo abaixo eles explicam as condições:

Acesse: Especializa TI / Especializa TI ( YouTube)

Udemy

Na Udemy os cursos de Laravel com certificado são pagos, mas existe um curso grátis sem certificado.
Acesse: Udemy 

Devmedia

No Devmedia o curso é bem intuitivo, no final recebe um certificado.
Acesse: Devmedia

 

Fontes: Laravel NewsLaravel Brasil

Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

Facebook – Twitter

Web Push Notifications: Uma Nova Estratégia

Você já notou que alguns sites estão enviando notificações para os usuários através do navegador? Essa estratégia está sendo usada por criadores e disseminadores de informação para se relacionar com o cliente. Se você pedir a opinião dos desenvolvedores sobre que recursos importantes os dispositivos móveis têm a mais que a web, as notificações por push (ou Web Push Notifications) estão sempre no topo da lista.
Notificação:Caixa de notificação
Essas notificações são enviadas através do navegador (Chrome ou Firefox), mesmo que você esteja fazendo uma outra atividade na internet. Elas são conhecidas como Push notifications, e são usadas para engajar os usuários de um determinado site, mantendo-os sempre atualizados sobre novos conteúdos.
A Push API e a Notification API abrem um novo mundo de possibilidades para você envolver os usuários novamente.

Duas tecnologias

Push e notificação usam APIs diferentes, mas complementares: o push é invocado quando um servidor fornece informações a um service worker, já uma notificação é a ação de um service worker ou script de página web de exibir informações a um usuário.

Service Workers 

Um service worker é um script que seu navegador executa em segundo plano, separado da página da Web, possibilitando recursos que não precisam de uma página da Web ou de interação do usuário. Essa API é muito interessante porque permite experiências off-line, oferecendo aos desenvolvedores controle total sobre a experiência. No futuro, os service workers permitirão outras ações como sincronização periódica ou geolocalização. Se você ainda não os conhece bem, dê uma olhada na introdução aos service workers.
Antes do service worker, havia outra API que proporcionava aos usuários uma experiência off-line na Web, denominada AppCache. Os principais problemas com AppCache são o número de armadilhas que existem, bem como o fato de que enquanto o design funciona particularmente bem para apps da Web de uma única página, ele não é tão bom em sites de várias páginas. Os service workers foram projetados para eliminar esses pontos negativos comuns.
O push se baseia em service workers por eles operarem em segundo plano. Isso significa que o código executa uma única vez para uma única notificação por push (em outras palavras, a bateria é usada uma única vez), que é quando o usuário interage com uma notificação clicando nela ou fechando-a.
Características importantes de um service worker:
  • É um JavaScript Worker. Portanto, não consegue acessar o DOM diretamente. Em vez disso, um service worker pode se comunicar com as páginas que controla respondendo a mensagens enviadas pela interface postMessage. Essas páginas podem manipular o DOM, se necessário.
  • O service worker é um proxy de rede programável, permitindo controlar como as solicitações de rede da página são tratadas.
  • Ele é encerrado quando ocioso e reiniciado quando necessário novamente. Isso significa que não se pode confiar no estado global dentro dos gerenciadores onfetch e onmessage de um service worker. Para informações que devem ser persistidas e reutilizadas entre reinícios, os service workers podem acessar a IndexedDB API.
  • Os service workers fazem uso intensivo de promessas. Entenda o que são as Promessas.

Web Notifications

Push notification é uma tecnologia que tem origem nos aplicativos mobile. Se você tem um smartphone, com certeza já foi impactado por algum push antes.
Quando você está no seu smartphone e recebe um aviso de um novo email na sua inbox, ou quando um amigo seu comenta em uma foto sua no Facebook, você está sendo impactado pelo push notification daquele aplicativo.
Quando surgiu na web: O Chrome habilitou essa tecnologia em março do ano passado. Portanto, é um canal ainda muito novo, mas já consagrado no mobile. O Firefox foi outro grande navegador que habilitou essa funcionalidade ainda no começo de 2016.

As possibilidades de uso para web são várias – e tudo vai depender do contexto do seu negócio.
Push vs email: o push notification tem um objetivo diferente do email, e o uso de um não substitui o do outro. Não há muito segredo, com o push você envia notificações e avisos curtos para seus inscritos, enquanto que no email você pode realizar uma comunicação mais extensa e completa.
As notificações possuem uma grande restrição, suas mensagens devem conter no máximo 100 caracteres, o que faz com que elas precisem ser sempre objetivas e sucintas.

Possibilidades 

As possibilidades de uso são várias, tudo depende da sua criatividade. Considerando que você já tenha um conhecimento básico sobre seu público-alvo, comece definindo um objetivo para você. O uso será para gerar mais conversão ou tráfego ?
Dicas de como você pode usar o push no seu site:
  • Atualização/novidades: você pode usar o push como um canal extra para distribuição dos conteúdos ricos produzidos por você. Avise os visitantes do seu site e redirecione eles para uma página de destino;
  • Ecommerce: se você tem um ecommerce, crie uma segmentação que notifica o que abandonaram no carrinho antes da compra;
  • Novos produtos/promoções: Product Hunt é um site que usa o push para notificar a base sobre aplicativos mais votados do dia;
  • Atualizações em geral: aplicativos web também podem usar a tecnologia do push para notificar os usuários sobre alguma atualização ou oferta específica. Exemplo: se você possui um restaurante que aceita pedidos pela internet, você pode criar uma notificação sobre o momento em que um pedido está pronto para entrega.

Enviando um Push

A configuração da ferramenta é feita de forma simples, mas é necessário um entendimento intermediario de Java Script e HTML. No geral, são algumas linhas de códigos que precisam ser inseridas no <header> do seu site ou através de um plugin (caso você utilize WordPress).
As listas de contatos são compostas por números e letras que são armazenadas no cookie do navegador, e então usadas para o envio da notificação. É possível importar e exportar essas listas de contato (caso você queira trocar de ferramenta) mas, para isso, é necessário configurar o código GCM (mais informações no link). A conta GCM permite que você armazene a sua lista de contato em uma conta própria.
Depois de fazer esse setup inicial, você já pode começar a configurar algumas funcionalidades da ferramenta em si:

Opt-in da Ferramenta

Funcionalidades do PushCrew

Há duas formas de gerar inscritos no web push: (1) através do opt-in nativo do seu navegador e (2) através de um opt-in desenvolvido pela ferramenta usada (no caso acima, o PushCrew Box).

Opt-in Nativo

Existem algumas diferenças entre o opt-in nativo com o opt-in da ferramenta, entenda:
Não é possível editar os textos e nem inserir imagem no opt-in nativo (até o momento, mas é possível que surjam atualizações no futuro).
O opt-in nativo também exige que seu site esteja com o protocolo HTTPS configurado; esse protocolo é necessário para habilitar as notificações. Com a ferramenta não é necessário, pois uma solução é feita pela própria.

 

O opt-in da ferramenta é uma ajuda para sites que ainda não migraram de protocolo. Basicamente, a ferramenta disponibiliza uma página de destino com domínio HTTPS, usada para registrar cada conversão.
A desvantagem é que essa página de destino adiciona um passo extra na conversão. Devido a isso, o opt-in da ferramenta possui uma taxa de conversão menor do que o opt-in nativo.
Se o seu site possui o protocolo HTTPS configurado, é recomendado o uso do opt-in nativo.

Enviar Notificações

Há três formas de enviar as notificações: via integração com o RSS (automatizando o envio), de forma manual ou por agendamento. O setup necessário para enviar uma notificação é simples, exigindo:
  • Título: no máximo 48 caracteres;
  • Mensagem: no máximo de 100 caracteres;
  • URL: página de destino (Landing Page);
  • UTM: parámetros de UTM para você acompanhar os resultados no Google Analytics (acesse AQUI para saber mais);
  • E outras opções avançadas como: imagem, segmentação, agendar publicação e auto-hide.

Ferramentas disponíveis

 O PushCrew, Aimtell, OneSignal e SendPulse são algumas dessas ferramentas. As diferenças são poucas; no geral, todas essas ferramentas oferecem as mesmas funcionalidades, variando mais no pricing.
Funcionalidades geralmente oferecidas:
  • Opt-in box ou opt-in nativo;
  • Notificações para mobile e navegador;
  • Notificação de boas-vindas;
  • Segmentações (no caso do PushCrew, a segmentação é feito via API, não pelo dashboard);
  • Estatísticas no geral (tanto para inscrição como para envio de notificação e taxas de engajamento).

Planos

A One Signal e a Pushcrew são duas ferramentas com plano freemium. As duas ferramentas são boas, mas o plano free da One Signal possui menor restrições de uso.
O modelo de negócio das ferramentas pode variar; algumas possuem planos que levam em consideração o número de subscribe (PushCrew, Aimtell, SendPulse), e outras, através da quantidade de notificações enviadas (Aimtell, SendPulse).
O Push Notification é uma ferramenta nova e promissora, tem capacidade e está se tornando um novo canal de aquisição relevante (se bem usado).
Os negócios de nicho, com públicos mais específicos, são os que mais se beneficiam do push notification, segundo o Blog RD. Ele se torna uma ótima ferramenta quando o foco é engajar com o público do seu site.

Fonte:Resultados Digitais

Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

Facebook – Twitter

Campus Party

A origem da Campus Party

CAMPUS-PARTYSTRIPE

Começou numa festa lan da organização espanhola de jovens, EnRED. Algo parecido com um dos famosos corujões, comuns em lan-houses. Na ocasião, 1997, o diretor da emissora Channel 100, Paco Regageles, sugeriu expandir o evento e mudar seu nome para Ben-AI-Party, pois ele ocorria em Benalmádena. Com o crescimento, a EnRED deixou o evento.

Em 1999, Paco Regageles, Belinda Galiano, Yolanda Rueda, Pablo Antón, Juanma Moreno e Rafa Revert fundaram a E3 Futura. O seu objetivo era deixar a tecnologia mais acessível para a sociedade. Dela, surgiu a Futura Networks, que organiza e é responsável por promover a Campus Party (e outros eventos com a mensagem de inclusão e responsabilidade digital). Em 2008, a Campus Party desembarcou no Brasil. Desde então, geeks transformam-se em campuseiros por uma semana (e todos os anos), mostrando que pessoas inteligentes também sabem se divertir.

E neste caso, a diversão vem acompanhada de internet banda larga (com velocidade espantosa), palestras com nomes de destaque do mercado, belas garotas (entregando panfletos de patrocinadores), computadores com configurações e gabinetes irados, oficinas, debates, campeonatos de games e… barracas. Afinal, é também um evento de camping.

Trata-se de uma reunião de geeks (de vários perfis) trocando experiências e se divertindo. A lista tem amantes e jogadores profissionais de games (profissionais mesmo), usuários inveterados de redes sociais (sempre tuitando, claro), jovens estudantes de Engenharia, Ciências da Computação e cursos afins (normalmente acompanhados de seus robôs), defensores dos softwares livres, jornalistas da área, blogueiros e internautas comuns, igual a nós, sabe?

Campus Party Brasília

A capital vai receber, em junho de 2017, a primeira Campus Party Brasília e a contagem regressiva já começou a compra dos ingressos esta disponível no site oficial Campus Party. O evento acontecerá entre os dias 14 a 18 de junho. E para entrar no clima de um dos maiores eventos de tecnologia do mundo o Governo do Distrito Federal fez o aquecimento do evento, que acorreu em 5 de novembro de 2016, teve oito horas contínuas de conteúdos no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Lotes de vendas

INGRESSO + BARRACA

1º lote (Abril) R$ 220,00
2º lote (Maio) R$ 250,00
Lote Final (Junho) R$ 280,00

Para 2017, preparem-se para 05 dias de uma Campus Party completa: com palestras, workshops, freeplay, hackathons, camping e muito mais! Confira no vídeo a edição histórica dos dez anos da Campus Party que rolou em janeiro no Anhembi, SP.

A Campus Party

Arena

Onde tudo acontece: palestras, workshops, FreePlay, Hackathons e o OVNI, de onde sai a Internet cabeada de alta velocidade para vários pontos de conexão distribuídos pelas bancadas.

arena

 

Camping

Área exclusiva para descanso dos campuseiros com mais de 1 mil barracas. Quem adquire o ingresso com barraca conta com uma área montada com serviço de camping.

barraca

 

Open Campus

Área aberta ao público, com entrada gratuita e várias atrações ligadas à Inovação e Tecnologia que recebe, ainda, os projetos StartUp & Makers e Campus Future.

open campus

Palestras

É uma prática bem comum na Campus. Quem realiza é um palestrante e, normalmente, trata-se de um indivíduo com amplos conhecimentos de um tema e que deseja passar a determinado público.

palestras

Workshops

Reunião de pessoas interessadas em um determinado assunto. Pode ser também uma atividade para discussão sobre um tema que é de interesse para todos, uma espécie de seminário, grupo de discussão ou colóquio, que enfatiza a troca de ideias e a demonstração e aplicação de técnicas, habilidades e etc.

workshops

Hackathons

É uma maratona de programação que movimenta toda a área de tecnologia, podendo durar dias e totalmente focada no desenvolvimento de soluções que possam impactar a organização tanto interna quanto externamente.

Hackathons já fazem parte do cotidiano das empresas mais inovadoras e lucrativas do mundo, como o Facebook e o Google, e no Brasil cada vez mais empresas encontraram nessa ação uma solução para exercer a criatividade de seus colaboradores e obter soluções para as mais variadas questões do dia a dia. Atualmente, não somente por projetos idealizados especificamente por pessoas da área de programação é constituída uma Hackathon.

Depois de definidos os temas, é hora de pedir que os colaboradores se candidatem a compor os times responsáveis pela execução dos projetos. Com as candidaturas recebidas, os times devem ser formados, de acordo com suas afinidades, considerando os perfis e potencial de cada pessoa.

hackathons

Primeiro magistral confirmado para a #CPBSB!

Ele sobe ao Palco Principal para falar sobre “A exploração DIY na Terra, no Espaço e Além“. Dia 14 de junho, às 21h.

260e4aefd7fcc7fe79bc205822e1ae53

O americano já foi consultor estratégico da NASA e trabalhou em um projeto da GoPro para lançar a câmera no Espaço. Hoje o renomado consultor do Vale do Silício acumula 17 anos de experiência e atua também como empreendedor e entusiasta da tecnologia. Palestra imperdível!

Fonte: CampusPartyprofissionaldeecommerce , superdownloads

Gostou do post ? Então siga as nossas redes sócias:

Facebook – Twitter